Projetos

 

FLORA E VEGETAÇÃO DOS INSELBERGS DO MUNICÍPIO DE PATOS, MESORREGIÃO DO SERTÃO DA PARAÍBA

    Inselbergs são afloramentos rochosos Pré Cambrianos ocorrendo sob a forma de montanhas solitárias ou em grupos (Jatobá & Lins, 2003), resultantes da erosão de antigos maciços montanhosos mais extensos que resistiram aos processos desnudacionais (Kesel, 1993). São responsáveis pelas superfícies aplanadas dos sertões, ao fim do Terciário e início do Quartenário (Ab Saber, 1969). Podem ser encontrados desde as regiões tropicais a temperadas (Seine et al. 2000), sendo no entanto, mais frequentes em climas com estação seca. No Brasil podem ser encontrados no domínio tropical atlântico (Safford & Martinelli, 2000) e na região do semi-árido (Ab Saber, 2003). Para Giulietti et al. (2009) um maior conhecimento da flora fanerogâmica no país será possível com coletas intensivas, especialmente em áreas de difícil acesso, como regiões montanhosas e ambientes com sazonalidade marcada como as caatingas. De acordo com Porembski et al. (1998, 2000) a maior porcentagem de espécies raras e endêmicas do Brasil está em áreas de inselbergs. Esse dado é apoioado também por Giulietti et al. (2009). Na região Sudeste, pesquisas em inselbegs foram desenvolvidas por Safford & Martinelli (2000) e Oliveira et al. (2004). No Nordeste importantes contribuições para o conhecimento da flora e estrutura dessas formações foram dadas por França et al. (1997, 2005, 2006), Carneiro-Torres et al. (2002), Almeida (2004), Pitrez (2006), Porto et al. (2008) e, mais recentemente, por Gomes & Alves (2009). O município de Patos, situado no Bioma Caatinga, região da Depressão sertaneja e Mesorregião do Sertão Paraibano, é particularmente rico em inselbergs (Carvalho et al., 2002; Ab Saber, 2003), sem que nenhum estudo tenha ainda sido desenvolvido nos mesmos. O projeto Flora da Paraíba, em andamento desde 1997, avançou em estudos realizados principalmente nas mesorregiões da Mata e Agreste do Estado; estando o sertão da Paraíba com sua flora ainda por ser inventariada. Nesse con. 

Situação: Em andamento; Natureza: Pesquisa. 
Alunos envolvidos: Graduação ( 5) . 
Integrantes: Marccus Alves - Integrante / José Iranildo Miranda de Melo - Integrante / POLYHANNA Gomes - Integrante / Jair Moises de Sousa - Integrante / David Oliveira - Integrante / Danilo Sousa - Integrante / Cleide Regina Major Torres - Integrante / Mayara Kicia Rufino Gomes - Integrante / Paulo Augusto Binder Dangelis - Integrante / Maria de Fatima de Araujo Lucena - Coordenador.
Financiador(es): Fundação Grupo o Boticário de Proteção à Natureza

 

FLORA DO ESTRATO HERBÁCEO DA RPPN FAZENDA TAMANDUÁ, MUNICÍPIO DE SANTA TEREZINHA PARAÍBA

    A Fazenda Tamanduá está situada no município de Santa Terezinha, mesorregião do sertão paraibano (7° 00' S e 37° 23' W), com área total 2.900ha e altitude média de 300m. Desde 1998 abriga área de RPPN com 325 ha. A vegetação predominante é de caatinga arbustiva-arbórea densa em bom estado de conservação. Os solos predominantes são do tipo litolíco eutrófico com afloramentos de rochas. O clima é característico das regiões semiáridas (BSh), com chuvas anuais médias de 600 mm. O objetivo deste trabalho é identificar a flora do estrato herbáceo na referida RPPN. A pesquisa terá início em agosto de 2011 e será concluída em julho de 2012. Coletas mensais serão realizadas seguindo a metodologia usual em taxonomia. Para a identificação dos espécimes serão efetuadas análises morfológicas das estruturas vegetativas e reprodutivas, comparação com material depositado no acervo do herbário do Centro de Saúde e Tecnologia Rural da Universidade Federal de Campina Grande, Campus de Patos-PB, consulta de bibliografias especializadas e, quando necessário, exemplares de plantas pertencentes a grupos taxonômicos mais complexos serão enviados aos respectivos especialistas nacionais e estrangeiros. O material herborizado e identificado será tombado no acervo do herbário CSTR. Um guia de campo contendo imagens das espécies coletadas será produzido e disponibilizado no site da Fazenda Tamanduá. Ilustrações botânicas das espécies predominantes na área serão confeccionadas.


Situação: Em andamento; Natureza: Pesquisa. 
Alunos envolvidos: Graduação ( 1) . 
Integrantes: Danielly da Silva Lucena - Integrante / Maria de Fatima de Araujo Lucena - Coordenadora
Financiador(es): Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico 

 

MACRÓFITAS AQUÁTICAS DO MUNICÍPIO DE PATOS, PARAÍBA, BRASIL

 

    A cidade de Patos está localizada na mesorregião do sertão paraibano (-7° 1′ 28″ S e -37° 16′ 48″ W), com área total 473,054 km² e altitude de 242m. Atualmente possui uma população de 100.674 hab. (IBGE, 2010). Limita-se ao norte com São José de Espinharas e São Mamede, ao sul com Cacimba de areia, São José do Bonfim e Mãe d’Água, a leste com São Mamede, Quixaba e Cacimba de areia e a oeste com Santa Terezinha e Malta. A vegetação predominante é do tipo caatinga arbustiva aberta. Relevo ondulado a suavemente ondulado. O clima é quente e úmido, com chuvas de verão a outono, temperatura máxima de 38ºC e mínima de 28ºC o que caracteriza aregião como semiárido e seca, com pluviometria média anual de 800 mm. A microrregião de Patos está inserida no domínio da Bacia hidrográfica do Rio Piranhas, sub-bacia do Rio Espinharas, com todos os cursos de água em regime de escoamento intermitente e o padrão de drenagem dendrítico formando muitos corpos d’água. O objetivo deste trabalho é realizar o levantamento das macrófitas aquáticas no município de Patos. A pesquisa terá início em abril de 2011 e será concluída em outubro de 2012. Coletas quinzenais serão realizadas seguindo a metodologia usual em taxonomia. A identificação das espécies será efetuada através de análises morfológicas das estruturas vegetativas e reprodutivas, da comparação com material depositado no acervo do herbário do Centro de Saúde e Tecnologia Rural (CSTR), campus de Patos-PB e Herbário JPB, consulta em bibliografias especializadas e, se necessário, exemplares de plantas pertencentes a grupos taxonômicos mais complexos serão enviados aos respectivos especialistas nacionais e estrangeiros. O material herborizado e identificado será incluído ao acervo do respectivo herbário. Um guia de campo com imagens das espécies coletadas será produzido e disponibilizado no site do herbário CSTR.

 

Situação: Em andamento; Natureza: Pesquisa.
Integrantes: Cleide Regina Major Torres./ Maria de Fatima de Araujo Lucena - Coordenadora

 

INSELBERGUES DE PATOS – PB: FLORA DE MONOCOTILEDÔNEAS

 

     A cidade de Patos está situada no sertão paraibano, na região das Espinharas. De clima semiárido, ela está localizada a 301 Km² da capital João Pessoa, e se destaca por seu relevo, caracterizado pela presença de Inselbergs, literalmente "montanha ilha". São afloramentos de rochas graníticas e gnáissicas do pré-cambriano que expressam o desgaste erosivo sofrido ao longo da história paleoclimática de uma região (POREMBSKI & BARTHOTT, 2000). Os inselbergues constituem ecossistemas peculiares onde a vegetação que se desenvolve sobre a rocha se diferencia da que ocorre no entorno, tanto em aspectos florísticos como fisionômicos. Esse trabalho terá como objetivo identificar a flora de monocotiledôneas dos referidos inselbergues, para que assim possa-se fazer um estudo taxonômico das famílias e espécies ocorrentes. A pesquisa terá início em janeiro de 2012 e será concluída em julho de 2013. Coletas quinzenais serão realizadas de acordo com técnicas comuns usadas na taxonomia vegetal (Mori et.al,1989; Bridson e Forman, 1998). Cada amostra coletada será fotografada, descrita e ilustrada. Também serão elaboradas chaves de identificação e um guia de campo contendo as imagens das espécies. A identificação dos espécimes será feita através de análises morfológicas das estruturas vegetativas e reprodutivas, análise comparativa com material depositado no acervo do Herbário do Centro de Saúde e Tecnologia Rural da Universidade Federal de campina Grande, Campus de Patos-PB, consulta a bibliografias especializadas e, se preciso, consulta a especialistas nacionais e estrangeiros. Posteriormente as espécies já identificadas serão herborizadas e incluídas no herbário do CSTR. As informações obtidas contribuirão significativamente para enriquecer os dados da flora de monocotiledôneas da caatinga paraibana, principalmente nesse tipo de ecossistema, onde os estudos ainda são escassos.

 

Situação: Em andamento; Natureza: Pesquisa.
Integrantes: Mayara Kicia Gomes Rufino./ Maria de Fatima de Araujo Lucena - Coordenadora

 

A FAMÍLIA BIGNONIACEAE JUSS. EM AFLORAMENTOS ROCHOSOS DE PATOS, MESORREGIÃO DO SERTÃO PARAIBANO

Integrantes: Cecilia Dantas./ Maria de Fatima de Araújo Lucena - Coordenadora